Release

O Fome de Música é um Projeto que objetiva acabar com a fome no Brasil por meio de uma tecnologia social de arrecadação de alimentos no setor do entretenimento.

Funciona por meio da cooperação de produtores culturais, empresários, artistas e Instituições que aderem ao Projeto inserindo um QR Code na tela do produto digital, incentivando e viabilizando ao público, o redirecionamento para o site fomedemusica.com, no qual existe o acesso para doação de valores monetários que serão transformados em alimentos.

O Sesc entra, por meio do Programa Mesa Brasil, exatamente neste momento. O Mesa Brasil realiza há 26 anos o trabalho de levar o alimento que sobra para onde falta. Sua expertise de distribuição aliada à idoneidade e credibilidade do Sesc, auxiliam na diminuição do desperdício e na redução da condição de insegurança alimentar de crianças, jovens, adultos e idosos.

Atualmente o Mesa Brasil Sesc atende mais de 6000 Instituições em todo o Território Nacional, chegando a atender cerca de 1 milhão e quatrocentas mil de pessoas por dia.

O Rotary International é o parceiro responsável pela logística de doações feitas em materiais de higiene, saúde, alimentos e etc. É uma associação de clubes de serviços cujo objetivo declarado é unir voluntários a fim de prestar serviços humanitários e promover valores éticos e a paz a nível internacional. 

Desde o início de abril até hoje, mais de 100 lives aderiram ao Fome de Música, arrecadando, diretamente pelo QR Code, perto de 4 milhões de reais e mais de 3 milhões por meio de doações de empresas patrocinadoras de artistas que participaram do Projeto, como a Fundação Casas Bahia, Instituto Boticário, New Holland Agroindustrial, Ambev e outras. Isso significa cerca de 1 milhão e quatrocentas mil toneladas de alimentos.

A distribuição dos alimentos é feita para os Departamentos Regionais do Sesc, de acordo com os dados do IBGE sobre a pobreza no Brasil, que prioriza as Regiões mais necessitadas, de acordo com o índice de pobreza, fome e vulnerabilidade de dados oficiais.

O projeto nasce, então, como fomento à solidariedade em um momento de instabilidade social, mas, pretende que seja mantida a prática, após a pandemia. Seja em eventos ao vivo ou on-line.